“O poder só é efetivado enquanto a palavra e o ato não se divorciam, quando as palavras não são vazias e os atos não são brutais, quando as palavras não são empregadas para velar intenções, mas para revelar realidades, e os atos não são usados para violar e destruir, mas para criar relações e novas realidades.” (ARENDT, Hannah Condição Humana, 2007, p. 212)

Fórum Cível da Capital terá sistema “Drive-thru” para permitir que advogados protocolem documentos sem sair do veículo

Gerência de Comunicação

O Drive-thru é o novo serviço que será oferecido pela Justiça estadual através do Fórum Cível da Capital “Des.Mário Moacyr Porto”. Com esse sistema os advogados poderão dar entrada em petições sem sair do veículo, numa cabine que está sendo instalada no estacionamento no andar subterrâneo do prédio. A Diretoria de Engenharia do Tribunal de Justiça da Paraíba já concluiu o projeto e aguarda, apenas a execução das obras, previstas para serem concluídas em 45 dias.

Para o juiz diretor do Fórum Cível da Capital, Fábio Leandro da Cunha Ramos, a medida é mais uma ação do Judiciário com o objetivo de dar mais celeridade aos procedimentos judiciais, garantindo economia de tempo para os advogados, reduzindo assim o congestionamento de veículos no local, bem como a dificuldade para estacionar. O magistrado disse, ainda, que pesquisou o funcionamento do serviço em outros tribunais do país e do Estado, para implementação do modelo. “Os advogados estão ansiosos. O layout já foi aprovado e o estacionamento sofrerá algumas adaptações, para que seja instalada a cabine de protocolo, que funcionará com apenas um servidor”, informou.

O diretor de Engenharia do Tribunal de Justiça, Ricardo Alexandre de Oliveira Lima, acrescentou que os estudos para a instalação e o funcionamento já foram feitos e, de acordo com os prognósticos, a obra deverá ser concluída rapidamente, melhorando muito o fluxo de veículos na área externa do fórum.

Gabriela Parente

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dano moral indireto: quem pode pedir reparação por morte ou por ofensa a um ente querido?

Jurisprudência molda os limites para concessão do sursis processual

Ministro Barroso nega ação sobre regulamentação do artigo 142 da Constituição