“O poder só é efetivado enquanto a palavra e o ato não se divorciam, quando as palavras não são vazias e os atos não são brutais, quando as palavras não são empregadas para velar intenções, mas para revelar realidades, e os atos não são usados para violar e destruir, mas para criar relações e novas realidades.” (ARENDT, Hannah Condição Humana, 2007, p. 212)

Números oficiais relativizam reprovação maciça no Exame da OAB



29/04/2013 07h14 

Ontem (28/04) foi realizada a primeira fase do “X Exame Unificado da OAB”, no qual estão inscritos 124718 candidatos – número recorde de inscrições na prova obrigatória para o exercício da advocacia pelos bacharéis em direito.

Números – O informativo jurídico FATO NOTÓRIO teve acesso a dados estatísticos referentes ao Exame da OAB, elaborados pela FGV a pedido da Comissão Nacional do Exame de Ordem, que demonstram relativazação em relação aos altos índices de reprovação a cada edição do exame.

Desde a unificação do exame, houve a inscrição de 892.909 candidatos em 10 edições. De outro modo, menos de 50% – 361.110 alunos/inscrições distintas –, se refere ao número total de candidatos inscritos. Do total, 148.612 (41,15%) candidatos já foram aprovados.

Os números oriundos da Fundação Getúlio Vargas apontam que destes 361.110 candidatos que buscam aprovação no exame, 66.923 examinandos fizeram o exame apenas uma vez.

O dado preocupante revelado é que dos 212.498 candidatos que ainda não foram aprovados, 150.503 nunca passaram para a segunda fase e, em média, acertam apenas cerca de 37,96% do total de questões da primeira fase. A pesquisa também mostrou que cada candidato realiza, em média, 2,47 edições do Exame da OAB até a aprovação.

OAB – O coordenador nacional do Exame da OAB, Leonardo Avelino Duarte, comentou ao FATO NOTÓRIO os números revelados pela FGV e pela OAB: “Eles comprovam algo que para nós já era perceptível: a maioria dos candidatos que fazem o Exame da OAB são oriundos de outras edições da prova (68%)”.

Leonardo Duarte rechaçou a crítica quanto à suposta “reserva de mercado” ocasionada pelo Exame da OAB, destacando que dentre os candidatos que passam no exame, 45% são aprovados na primeira tentativa: “o Exame não reprova tanto quanto se imagina, a grande maioria dos bacharéis que prestam não são novos inscritos.

O advogado revelou que os números amenizam o “fantasma” quanto à reprovação no Exame da OAB, entretanto, explicou a necessidade de diálogo com as instituições de ensino: “Os números mostraram a premente necessidade de diálogo com as faculdades de direito. Temos que ajustar o ensino jurídico”.

Outra medida anunciada pelo coordenador nacional do Exame da OAB é a realização de um congresso nacional, em conjunto com o presidente da Comissão de Ensino Jurídico da OAB, conselheiro federal Eid Badr, para a discussão dos números e a consequente redução do número de candidatos reprovados no Exame da OAB.

Fato Notório

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dano moral indireto: quem pode pedir reparação por morte ou por ofensa a um ente querido?

Ministro Barroso nega ação sobre regulamentação do artigo 142 da Constituição

Senadores pedem adiamento das eleições municipais