“O poder só é efetivado enquanto a palavra e o ato não se divorciam, quando as palavras não são vazias e os atos não são brutais, quando as palavras não são empregadas para velar intenções, mas para revelar realidades, e os atos não são usados para violar e destruir, mas para criar relações e novas realidades.” (ARENDT, Hannah Condição Humana, 2007, p. 212)

Record indenizará Suzane Richthofen por exibição de imagens em presídio

23/08/2013 07h59 

O juiz Danilo Mansano Barioni, da 21ª Vara Cível de São Paulo, julgou procedente uma ação de obrigação de fazer cumulada com pedido de indenização por danos morais e condenou a “Rádio e Televisão Record” a não veicular imagens de Suzane Louise Von Richthofen dentro do presídio onde cumpre pena, bem como a indenizá-la por danos morais. 

Caso – Informações do TJ/SP explanam que a emissora de televisão exibiu imagens de Suzane Richthofen sem autorização, em outubro de 2012, em diversos de seus programas ("Domingo Espetacular", "Jornal da Record" e "Cidade Alerta"). 

Suzane Von Richthofen destacou à Justiça que cumpre pena privativa de liberdade por crime de notório conhecimento na sociedade e após mais de 10 anos dos fatos, é alvo de reportagens que não trazem novos conteúdos e prejudicam seu processo de ressocialização. 

Decisão – Danilo Barioni consignou em sua decisão que presídios não são locais públicos para a realização de reportagens, bem como os apenados não são “atrações” para serem exibidos na televisão sem autorização expressa.

Fundamentou o magistrado a decisão de acolher os pedidos de Suzane Von Richthofen: “Não faz parte da pena imposta à autora ser filmada, sem sua ciência e autorização, e ter sua imagem veiculada como fez a ré com direitos a comentários esdrúxulos”. 

O juiz de direito, derradeiramente, questionou o conteúdo da reportagem veiculada sobre a apenada: “Qual o interesse jornalístico em se alardear que a detenta Suzane está mais gorda? Insistir nisto, detalhar, conjecturar quantos quilos? Qual a seriedade, intuito informativo, ao conjecturar com base em imagens obtidas clandestinamente, eventual diálogo entre detentas? Isso serve à informação, ou deforma? Isso é jornalismo ou sensacionalismo? As perguntas são retóricas, e assim a elas respondo com isoladas palavras: Nenhum. Nenhum. Nenhuma. Deforma. Sensacionalismo! Nem se argumente com o viés pretensamente popular do programa, o público-alvo, etc. Os discursos transcritos falam por si”. 

Restrições – A Rede Record só poderá exibir imagens de Suzane Von Richthofen caso tenha autorização expressa de captação e exibição. A emissora está proibida, também, de noticiar eventuais amizades de Richthofen com quaisquer detentas – a reportagem fez referência ao contato com Ana Paula Jatobá, condenada pela morte da enteada Isabella Nardoni.

A indenização cível a qual a emissora foi condenada foi estipulada em R$ 30 mil. 

Fato Notório

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dano moral indireto: quem pode pedir reparação por morte ou por ofensa a um ente querido?

Ministro Barroso nega ação sobre regulamentação do artigo 142 da Constituição

FIGURA PÚBLICA Luciano Hang pode continuar a exibir mensagens em aviões contra Lula