“O poder só é efetivado enquanto a palavra e o ato não se divorciam, quando as palavras não são vazias e os atos não são brutais, quando as palavras não são empregadas para velar intenções, mas para revelar realidades, e os atos não são usados para violar e destruir, mas para criar relações e novas realidades.” (ARENDT, Hannah Condição Humana, 2007, p. 212)

Promotor de Justiça de Itaíba é assassinado com 20 tiros

Crime »


Publicação: 14/10/2013 10:48
Atualização: 14/10/2013 13:37
O Ministério Público de Pernambuco (MMPE) confirmou a morte do promotor de Justiça Thiago Faria de Godoy Magalhães, 36 anos. O corpo do promotor foi encontrado na manhã desta segunda-feira com cerca de 20 perfurações a bala. O procurador geral de Justiça de Pernambuco, Aguinaldo Fenelon, está indo para o município para acompanhar as investigações sobre o caso.

Os delegados do Departamento de Homicídios e Proteção a Pessoa (DHPP) Joselito Kherle do Amaral e Joseneide Confessor foram designados para coordenar os trabalhos. A Polícia Civil também solicitou apoio das policias Federal (PF) e Rodoviária Federal (PRF) para ajudar na apuração do crime e na busca pelos responsáveis.

O governador Eduardo Campos agendou para as 18h de hoje uma reunião com o procurador-geral do MPPE para tratar das providências que serão tomadas na investigação do assassinato de Thiago. O encontro será realizado no gabinete do governador, no Centro de Convenções de Pernambuco.

Thiago estava dentro do próprio carro, no município de Itaíba, no Agreste de Pernambuco, quando foi atingido pelos disparos. De acordo com a polícia, o crime teria acontecido por volta as 9h da manhã de hoje, na PE-300, quando a vítima seguia para o trabalho, no prédio do Tribunal Justiça de Pernambuco de Itaíba.

O delegado de Itaíba, Antônio Júnior, está no local do crime. De acordo com a polícia, o carro do promotor foi seguido por um Uno de cor preta. Depois de efetuar o primeiro disparo, os assassinos teriam bloqueado a passagem do carro da vítima, descido do carro e executado o promotor com diversos tiros, fugindo em seguida.

A noiva da vítima, Mysheva Freire Ferrão Martins, que também estava no veículo, teria conseguido pular do carro no momento do primeiro disparo. Ferida com escoriações pelo corpo, ela foi atendida na Maternidade João Vicente, em Itaíba, de onde já recebeu alta médica.

Thiago era formado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, autor de livros jurídicos e professor de cursos preparatórios para concursos. Ele tomou posse como promotor em dezembro do ano passado.

Na ocasião, Thiago falou como orador do grupo de novos promotores nomeados e ressaltou que tomar posse no cargo era a realização de um sonho.“Quando entrei na faculdade de direito tinha um foco, um sonho, que era ser promotor de Justiça. Ninguém vence uma pessoa que tem um sonho e hoje o realizei e posso dizer que irei dedicar a minha vida a ser o melhor promotor de Justiça do MPPE. Cumprirei essa promessa”, afirmou.

Comentários

  1. PROMOTOR ASSASSINADO EM PERNAMBUCO – VÍTIMA OU ALGOZ DE SI MESMO?
    (Comentario que fiz no blog de Tião, sobre a noticia do assassinato do Promotor de Justiça em Pernambuco, e onde os demais comentários tem um grito só : penas mais duras)


    Sintetizando, todas as propostas aqui registradas pedem pela velha Lei do Talião: OLHO POR OLHO, DENTE POR DENTE! Considerando que quase todos que aqui postam são alfabetizados e pelo nível, em média com formação superior, é surpreendente que o que é proposto é a aplicação da lei citada. Pergunta: Quantos bandidos os senhores conhecem que chegam até a idade de 45 anos? Poucos. São todos condenados à morte antes dos 30. Conclusão: os bandidos sabem que estão condenados à morte antecipada. Pela policia legal, pela policia bandida ou pelos bandidos. Ou seja, o aumento das penas não será solução para o problema da violencia. Poderá ser somente pequena parte das diversas soluções para este problema complexo, que passa por JUSTIÇA RÁPIDA, EDUCAÇÃO E PREVENÇÃO, PUNIÇÃO ISONOMICA RICOS E POBRES, COMBATE PRIORITARIO A DROGA ALCOOL ( onde o Estado é sócio), RELIGIÃO e por ai vai... Repito minha sábia avó: soluções simples para problemas complexos são falsas. Soluções complexas para problemas simples, são inúteis.
    Pergunta pré-final: quanto este jovem Promotor não era parte do proprio processo que promove a violencia geral que nos atormenta? Ele, seus colegas promotores, os advogados e os Juizes, e o sistema inteiro da Justiça, acomodados em seus privilegios e resignados em suas misérias, emperram a justiça, desvirtuam, burocratizam, etc, parindo seus proprios algozes num ciclo infernal de causas e consequencias? Por exemplo: as grandes e pequenas bancas de advogados são pagas com parte do butim que os bandidos arrecadam de suas vítimas.
    Demonstrando: MAIS CRIME, MAIS LUCRO PARA ADVOGADOS, MAIS CONCURSO E EMPREGO PARA PROMOTORES E JUIZES, MAIS EMPREGOS NO SISTEMA JUDICIARIO, MAIS CORRUPÇAO NA POLICIA, MAIS EMPREITEIRAS PARA CONSTRUIR PRISÕES, MAIS SEGUROS DE VIDA, MAIS SUPER IMOVEIS PROTEGIDOS, MAIS EMPRESAS DE SEGURANÇA, MAIS VEICULOS BLINDADOS, MAIS VENDA DE ARMAS,... E O ESTADO RECOLHENDO MAIS IMPOSTOS. É A MAQUINA INFERNAL ONDE APARENTEMENTE MUITOS GANHAM E COM CERTEZA TODOS PERDEM!
    Cínicamente concluindo: TODOS SÃO PARTE DESSA ENGRENAGEM INFERNAL, PRODUTORES DA VIOLENCIA QUE RECLAMAM. QUE CADA UM FAÇA SUA PARTE PARA DELA ESCAPAR OU EMPERRAR OU MELHOR AINDA, DESMONTA-LA. PODE SIGNIFICAR A VIDA DE UM JOVEM PROMOTOR OU DE UM JOVEM BANDIDO AINDA RECUPERÁVEL.
    Dialeticamente, após esta tese, sem antítese, faço minha síntese final: PROMOTOR OU BANDIDO MORTOS, SÃO VÍTIMAS DE SUAS PROPRIAS AÇÕES NA MAQUINA INFERNAL GERADA POR UMA SOCIEDADE SECULARMENTE DESIGUAL E INJUSTA.
    Solução final: QUE CADA UM NO SEU PAPEL AJUDE A DESMONTAR A MAQUINA QUE NOS DEVORA A TODOS, PROMOTORES INCLUIDOS.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Dano moral indireto: quem pode pedir reparação por morte ou por ofensa a um ente querido?

Ministro Barroso nega ação sobre regulamentação do artigo 142 da Constituição

Inventário e partilha no Novo Código de Processo Civil