“O poder só é efetivado enquanto a palavra e o ato não se divorciam, quando as palavras não são vazias e os atos não são brutais, quando as palavras não são empregadas para velar intenções, mas para revelar realidades, e os atos não são usados para violar e destruir, mas para criar relações e novas realidades.” (ARENDT, Hannah Condição Humana, 2007, p. 212)

Mantidas doações de Chateaubriand que deram origem aos Diários Associados


Após 40 anos de discussões na Justiça, os negócios que deram origem ao Condomínio Acionário das Emissoras e Diários Associados, celebrados entre 1959 e 1962 por Francisco Assis Chateaubriand Bandeira de Mello, foram considerados legais. A Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), por maioria de votos, negou recurso de Thereza Acunha Bandeira de Mello Alkmin, filha do jornalista, que queria que as ações do grupo ficassem com os herdeiros.  

O empresário, jornalista, advogado e embaixador, também conhecido como Chatô, faleceu em 1968. Desde então, arrasta-se na Justiça a discussão sobre a formação do condomínio dos Diários Associados. A família de Chateaubriand tenta obter as cotas doadas por ele aos condôminos, alegando que não poderia haver sucessão entre os integrantes do grupo.

Em 1959, 49% das ações e quotas das empresas de Assis Chateaubriand foram repassados para os condôminos, e, em 1962, os outros 51% foram também transmitidos ao grupo. Ficou estabelecido que, falecido ou excluído um dos integrantes do condomínio, os remanescentes deveriam escolher no voto a quem seria atribuída a fração ideal vacante. A família quer que essa fração retorne ao espólio e seja repartida entre os herdeiros.

Em primeiro grau, o juiz decretou a nulidade de todas as transferências de ações feitas após a morte do empresário e reconheceu a propriedade do espólio e dos herdeiros sobre todas as participações acionárias. O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ) reformou a sentença e decidiu que são lícitos o negócio, as cláusulas e as condições estabelecidas na criação do condomínio. A filha de Chateaubriand, que é assistente do espólio do pai, recorreu ao STJ.

Condomínio societário

Para o relator do recurso, ministro Paulo de Tarso Sanseverino, à primeira vista seria possível reconhecer, como sustenta a filha de Chateaubriand, a existência de mera doação das frações ideais do patrimônio do seu pai, estando presentes os seus elementos identificadores: transferência patrimonial e animus donandi (intenção de doar).

No entanto – destacou o ministro Sanseverino –, o TJRJ entendeu que o negócio jurídico não consistia apenas em uma doação, ou seja, não envolvia tão só animus donandi. As cláusulas inscritas nos acordos discutidos expressam haver mais do que mera transferência de suas empresas a terceiros, mas a constituição de um condomínio societário a ser administrado pelos beneficiários donatários, de acordo com as diretrizes por ele enunciadas durante sua vida profissional e estampadas nas cláusulas disciplinantes do negócio.

“Não há de se desprezar, ainda, que o seu constituidor possuía notórios e ilustrados conhecimentos jurídicos, fazendo inserir nos acordos por ele confeccionados exatamente o que gostaria, dentro de sua autonomia privada”, observou o ministro.

Segundo o ministro, o TJRJ chegou a essa conclusão após o exame de provas e a interpretação de cláusulas dos contratos elaborados por Chateaubriand – conclusão “especialmente extraída do modo como se estabeleceu a sucessão da titularidade das referidas frações àqueles que mais houvessem se distinguido por seu trabalho e por seu espírito de compreensão dos ideais comuns do referido condomínio”.

Seguindo o voto do relator, a maioria dos ministros reconheceu a natureza peculiar do negócio atípico elaborado pelo falecido advogado e jornalista, mas negou provimento ao recurso, pois não cabe ao STJ rever provas e reanalisar cláusulas contratuais em julgamento de recurso especial. A ministra Nancy Andrighi ficou vencida. 

Esta notícia se refere ao processo: REsp 1193809

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dano moral indireto: quem pode pedir reparação por morte ou por ofensa a um ente querido?

Jurisprudência molda os limites para concessão do sursis processual

Ministro Barroso nega ação sobre regulamentação do artigo 142 da Constituição