“O poder só é efetivado enquanto a palavra e o ato não se divorciam, quando as palavras não são vazias e os atos não são brutais, quando as palavras não são empregadas para velar intenções, mas para revelar realidades, e os atos não são usados para violar e destruir, mas para criar relações e novas realidades.” (ARENDT, Hannah Condição Humana, 2007, p. 212)

BRASILEIRO A QUALQUER TEMPO



Em época de Copa do Mundo resolvemos fazer uma simples reflexão sobre o sentimento de “patriotismo” que paira no brasileiro durante a competição.

Seria muito bom que o brasileiro sempre se orgulhasse de ser brasileiro e sempre estufasse o peito para gritar eu amo o Brasil.

As vezes parece que somos brasileiros somente de quatro em quatro anos, em especial a cada Copa do Mundo. A nossa sorte é que o Brasil participou de todas as copas do mundo; imagine se passássemos dezesseis anos fora da copa como a Colômbia estava desde 1998 sem participar da competição, correríamos o risco de esquecermos que somos brasileiros.


Afinal será que nos orgulhamos do Brasil ou da seleção brasileira? Por que não vibramos com os nossos nomes da cultura? Os pensadores? Educadores? pessoas que doaram a vida em defesa da vida do povo brasileiro. Não que a seleção não mereça; mas por que não esboçamos o mesmo sentimento em relação aos demais valores.

É bom lembrar que o amor a seleção também tem prazo de validade, basta começar perdendo o jogo para muitos brasileiros esquecerem o amor ao futebol e a seleção.

Como diz Benito di Paula: “seria muito, seria bom demais” que durante os 365 ou 366 dias do ano, o brasileiro tivesse o sentimento de patriotismo que tem no período de copa do mundo.

Admiramos os Estados Unidos da América por serem patriotas, estenderem sempre a bandeira do seu pais nas suas residências, vestirem roupas com os símbolos da pátria, morrerem defendendo a pátria e nos sentamos em frente as telas de cinema e televisão para assistirmos filmes que exaltam o patriotismo americano.

Por que não erguemos a Bandeira Brasileira em todos os momentos importantes das nossas vidas, nas conquistas pessoais, profissionais, estudantis, afinal vencendo estamos sendo uma formiguinha na construção do pais.

Por que a bandeira colocada no veiculo, o adesivo, não pode ficar para sempre, como colocamos o escudo do nosso time preferido, da nossa denominação religiosa, da nossa empresa;

Por que não cantarmos o Hino Nacional a qualquer tempo? com o mesmo entusiasmo que cantamos em período de copa;

Por que torcer para as coisas darem errado para provarmos que estamos certos?  Quando a nossa comprovação tem um preço para nós mesmos.

Por que esquecermos nossas qualidade e exaltarmos as qualidades alheias. Alguns brasileiros preferem mesmo na Copa, torcer contra o Brasil, torcendo pela Argentina, quando na verdade é uma demonstração de que ignora o nosso potencial, quando temos 05 copas contra duas da outra seleção. Será que se os Argentinos soubessem que tem brasileiro torcendo por eles se orgulhariam?, com certeza teriam restrição.

Está na hora de transformamos cada dia em um dia de Copa do Mundo e defendermos o Brasil como se todos os dias estivemos num Estádio de futebol torcendo pelo crescimento do nosso pais, sendo que neste caso os jogadores são duzentos milhões e não somente onze jogadores.

Não importa se o técnico deste pais é do PT ou do PSDB ou de qualquer sigla partidário o que verdadeiramente é importante, é saber que todos formamos este pais e o que der errado nós também pagamos o preço.

A nossa palavra deve ser dita, o nosso protesto deve ser feito e o nosso grito deve ser bradado; mas não podemos esquecer que a palavra, o protesto e o grito devem ser na busca de ideais, projeto e reivindicações e não como o fito de destruir o patrimônio público que pertence a todos os brasileiros. Este patrimônio não é do `Prefeito, do Governador ou do Presidente de plantão; mas sim, de todo povo brasileiro.

O primeiro protesto deve ser feito na urna, votar de forma consciente, livre do poderio econômico e das pressões politico-partidária. Votar pensando em todo Brasil e não somente na minha vida pessoal, pensando no futuro e não somente no presente ou em receber presentes.
Vamos erguer a cabeça, estufar o peito e dizer somos BRASILEIROS A QUALQUER TEMPO, exaltando que a nossa pátria sempre terá lugar em nosso veículo; a Bandeira sempre terá lugar em nossas casas, estabelecimentos e o nosso coração sempre estará aberto para VERDADEIRAMENTE DIZERMOS:  Dos filhos deste solo és mãe gentil, Pátria amada, Brasil!.

ESCRITO POR
MANOEL ARNÓBIO DE SOUSA

DIREITOS RESERVADOS

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dano moral indireto: quem pode pedir reparação por morte ou por ofensa a um ente querido?

Ministro Barroso nega ação sobre regulamentação do artigo 142 da Constituição

Senadores pedem adiamento das eleições municipais