“O poder só é efetivado enquanto a palavra e o ato não se divorciam, quando as palavras não são vazias e os atos não são brutais, quando as palavras não são empregadas para velar intenções, mas para revelar realidades, e os atos não são usados para violar e destruir, mas para criar relações e novas realidades.” (ARENDT, Hannah Condição Humana, 2007, p. 212)

Em pronunciamento nacional, presidente do TSE diz para eleitor votar com consciência




“Neste domingo, quem é o dono do poder é você, eleitora, é você, eleitor. Exerça seu voto de maneira livre e consciente. Não troque o seu voto por favores. Não venda o seu voto. Isto é crime. É necessário que o eleitor tenha consciência que, neste dia, 5 de outubro, nós estaremos decidindo o destino do nosso país”. A afirmação foi feita pelo presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Dias Toffoli, em pronunciamento em cadeia nacional de rádio e televisão, às 20h desta sexta-feira (3).

O presidente do TSE iniciou o pronunciamento anunciando que no domingo, o Brasil realizará a maior eleição da sua história. “Somos quase 143 milhões de eleitores, a quarta maior democracia do mundo. Elegeremos aqueles que comandarão a presidência da República e os governos de Estado. Também escolheremos os legisladores no Senado da República, na Câmara dos Deputados e nas Assembleias Legislativas dos estados e do Distrito Federal”, disse.
O ministro Dias Toffoli ressaltou que o voto “é um momento de igualdade de todos os brasileiros e, para isso, a Justiça Eleitoral está organizada no Brasil através de seus tribunais, juízes, servidores e de mais de dois milhões de mesários que estarão domingo recebendo o seu voto, garantindo que seu voto seja secreto. Só você tem o direito de saber em quem votou. E também garantindo que o voto dado na urna eletrônica será o voto computado”.
Ao finalizar, o ministro sustentou que, no domingo, o país estará decidindo o seu destino para os próximos quatro anos. “É um momento de extrema responsabilidade. Reflita. Vá com tranquilidade à sua seção eleitoral e exerça o seu direito de votar naquele que você entenda ser o melhor, aquele que você entenda ser quem mereça a dignidade do seu voto”, finalizou.
BB/JP


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dano moral indireto: quem pode pedir reparação por morte ou por ofensa a um ente querido?

Jurisprudência molda os limites para concessão do sursis processual

Ministro Barroso nega ação sobre regulamentação do artigo 142 da Constituição