“O poder só é efetivado enquanto a palavra e o ato não se divorciam, quando as palavras não são vazias e os atos não são brutais, quando as palavras não são empregadas para velar intenções, mas para revelar realidades, e os atos não são usados para violar e destruir, mas para criar relações e novas realidades.” (ARENDT, Hannah Condição Humana, 2007, p. 212)

INVESTIGAÇÃO INTERNACIONAL - Odebrecht e Braskem fecham acordo e pagarão US$ 3,5 bilhões por propinas



21 de dezembro de 2016, 17h53
A Odebrecht confessou para a Justiça dos Estados Unidos que pagou US$ 788 milhões em propinas para membros de governos de 12 países em um esquema que se iniciou em 2001. O anúncio foi feito nesta quarta-feira (21/12) pelo Departamento de Justiça dos EUA (DOJ). A empresa e a Braskem (companhia controlada por ela em parceria com a Petrobras que já havia anunciado acordo) irão pagar US$ 3,5 bilhões para resolver litígios nos Estados Unidos, Brasil e Suíça.  Trata-se do maior acordo já feito na história mundial em um caso de corrupção.
Do total de supostas propinas, US$ 439 milhões foram pagos no exterior e US$ 349 milhões no Brasil, segundo reportagem do jornal Folha de S.Paulo. Em troca dessas propinas, segundo o DOJ, a Odebrecht obteve R$ 12 bilhões, ao câmbio de hoje, em benefícios com contratos nesses países. 

Caso da empreiteira
No caso das investigações que envolvem apenas a Odebrecht, a investigação, feita pelo DOJ em parceria com o Ministério Público Federal do Brasil e autoridades da Suíça, aponta que o esquema era comandado pela direção da empresa e envolvia contas em paraísos fiscais e empresas de fachada. Novamente é citado o “departamento de operações estruturadas”, divisão interna da Odebrecht destinada a tratar de propinas.
Os Estados Unidos e a Suíça ficarão com 10% cada da multa paga e o Brasil com os 80% restantes. O valor será pago ao longo de 23 anos e a soma das parcelas será reajustada de acordo com a taxa Selic.  Segundo a empresa, o pagamento da multa será viabilizado por meio de uma combinação de vendas de ativos já planejadas anteriormente e de geração de caixa das operações continuadas
Cooperação na investigação
Inicialmente a multa estipulada foi de mais de US$ 4 bilhões, mas a companhia conseguiu abater 25% do total por ter cooperado de forma irrestrita com as investigações. Já a Braskem obteve 15% de desconto por sua cooperação. 
As propinas foram pagas em mais de 100 projetos em 12 países, incluindo Angola, Argentina, Brasil, Colômbia, República Dominicana, Equador, Guatemala, México, Moçambique, Panamá, Peru e Venezuela.
*Texto alterado às 18h27 desta quarta-feira (21/12) para correções. 

http://www.conjur.com.br/2016-dez-21/odebrecht-fecha-acordo-pagara-us-35-bi-propinas-12-paises

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dano moral indireto: quem pode pedir reparação por morte ou por ofensa a um ente querido?

Ministro Barroso nega ação sobre regulamentação do artigo 142 da Constituição

FIGURA PÚBLICA Luciano Hang pode continuar a exibir mensagens em aviões contra Lula