“O poder só é efetivado enquanto a palavra e o ato não se divorciam, quando as palavras não são vazias e os atos não são brutais, quando as palavras não são empregadas para velar intenções, mas para revelar realidades, e os atos não são usados para violar e destruir, mas para criar relações e novas realidades.” (ARENDT, Hannah Condição Humana, 2007, p. 212)

Senado aprova Gurgel de Faria para ministro do STJ



O plenário do Senado aprovou na noite desta terça-feira (5) o nome do desembargador federal Luiz Alberto Gurgel de Faria (foto), indicado pela presidente Dilma Rousseff para integrar o Superior Tribunal de Justiça (STJ) na vaga aberta com a aposentadoria da ministra Eliana Calmon. Magistrado desde 1993, Gurgel de Faria é membro do Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF5).

A aprovação em plenário, por 53 votos a quatro, foi a última etapa necessária para que o desembargador possa ser nomeado e empossado no novo cargo. Pela manhã, ele havia passado por sabatina na Comisão de Constituição, Justiça e Cidadania do Senado, onde sua indicação obteve aprovação unânime.


Ao defender a aprovação do nome em plenário, o senador José Agripino, relator da indicação, disse que Gurgel de Faria "tem notório saber jurídico, além de ser um juiz hábil e competente e um bom negociador".

Segundo o senador pelo Rio Grande do Norte, o indicado “é um homem voltado para o bom direito, afável no trato e muito cordato no encaminhamento de soluções. É um sujeito competente, que honra muito os quadros jurídicos do meu estado”.

Também do Rio Grande do Norte, o senador Paulo Davim classificou Gurgel de Faria como um magistrado “brilhante e capaz”. Afirmou que o futuro ministro possui um saber jurídico reconhecido não só no seu estado ou no Nordeste, “mas em todo o Brasil”.

Com informações da Agência Senado.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dano moral indireto: quem pode pedir reparação por morte ou por ofensa a um ente querido?

Jurisprudência molda os limites para concessão do sursis processual

Ministro Barroso nega ação sobre regulamentação do artigo 142 da Constituição