“O poder só é efetivado enquanto a palavra e o ato não se divorciam, quando as palavras não são vazias e os atos não são brutais, quando as palavras não são empregadas para velar intenções, mas para revelar realidades, e os atos não são usados para violar e destruir, mas para criar relações e novas realidades.” (ARENDT, Hannah Condição Humana, 2007, p. 212)

Mulher é condenada por chamar homem de "negro safado e sem vergonha"


Pena de 1 ano de reclusão foi substituída por medida restritiva de direitos
Parte superior do formulário
 
Parte inferior do formulário
Reprodução
Decisão proferida pela juíza Mônica Gonzaga Arnoni, da 18ª Vara Criminal de São Paulo (SP), julgou procedente ação penal e condenou uma mulher pelos crimes de injúria racial e ameaça.
Caso – De acordo com informações do TJ/SP, Margarida Bezerra de Lima e Silva foi denunciada pela prática dos crimes de injúria racial (artigo s 140, § 3º do Código Penal) e ameaça (artigo 147 do Código Penal), após ofender a vítima durante uma discussão ocorrida em setembro de 2013.

Durante a discussão – originada por questões de concorrência empresarial –, a acusada teria ofendido a vítima com palavras referentes à sua raça, cor e etnia, além de ameaçá-la de morte: “negro safado e sem vergonha”, narrou a acusação.
A ré negou a prática dos crimes quando foi interrogada em audiência de instrução, restringindo os fatos à discussão entre as partes – a acusada afirmou à Justiça ser evangélica e nordestina.
Três testemunhas arroladas pela acusação confirmaram os fatos narrados na denúncia. Uma delas afirmou que a acusada teria dito: "Negro safado, ladrão, sem vergonha e macaco"; outra disse que a ré teria falado: "Eu vou te matar seu negro filho da puta”.
Decisão – Mônica Gonzaga Arnoni fundamentou a decisão condenatória contra a ré: “Ficou claro o reconhecimento da prática do delito de injúria por preconceito, já que a acusada se valeu de elementos relacionados à cor e à raça da vítima para ofendê-la em sua honra subjetiva".
Complementou a julgadora: “Ressalte-se que a exaltação doa ânimos, vale dizer a emoção própria de uma briga, não exclui a imputabilidade penal, na forma do artigo 28, incisos I e II, do Código Penal. Não é possível reconhecer, assim, a ausência de dolo ou mesmo de inexigibilidade de conduta diversa, pois não tinha a ré o direito de ofender quem quer que seja”.
Margarida Bezerra de Lima e Silva foi condenada à pena de um ano de reclusão, que foi substituída por prestação de serviços pelo mesmo período, além de 20 dias-multa.
Fato Notório
Tribunal de Justiça de São Paulo: 078407-16.2013.8.26.0050


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dano moral indireto: quem pode pedir reparação por morte ou por ofensa a um ente querido?

Ministro Barroso nega ação sobre regulamentação do artigo 142 da Constituição

FIGURA PÚBLICA Luciano Hang pode continuar a exibir mensagens em aviões contra Lula