“O poder só é efetivado enquanto a palavra e o ato não se divorciam, quando as palavras não são vazias e os atos não são brutais, quando as palavras não são empregadas para velar intenções, mas para revelar realidades, e os atos não são usados para violar e destruir, mas para criar relações e novas realidades.” (ARENDT, Hannah Condição Humana, 2007, p. 212)

segunda-feira, 1 de maio de 2017

DIA DO TRABALHADOR – DIA DE REPENSAR CONCEITOS




Já foi dito “o trabalho dignifica o homem”.

No dia 1º de maio, dia do Trabalhador deve-se discutir a referida afirmação sobre dois ângulos: todo trabalho dignifica o homem?  E o homem vem dignificando o trabalho?

Para que o trabalho dignifique o homem se faz necessário que o valor do seu trabalho seja reconhecido, para que o mesmo possa ter uma vida digna, conforme preceitua a Constituição Federal ao assegurar o princípio da dignidade da pessoa humana como sendo um dos fundamentos da República, Inciso III do Art. 1º da CF.

Para que o trabalho dignifique o homem se faz necessário que os direitos inerentes ao exercício da sua função sejam assegurados e efetivados, sendo garantindo condição de trabalho digna para o trabalhador.


Para que o trabalho dignifique o homem se faz necessário que seja assegurada a gratificação de insalubridade do gari, a gratificação de risco do eletricista, o pagamento em dia do salário do professor, um salário decente a todos que trabalham, e acima de tudo a sociedade deve  entender que todas as funções são imprescindíveis para a vida social.

Também se faz necessário que o homem dignifique o trabalho, isto, deixa de ocorrer a partir do momento em que o profissional deixa de exercer a sua função com zelo e dedicação e passa a exercê-la pensando, único e exclusivamente em favorecer a si próprio, independentemente de quem venha a prejudicar.

A pessoa que utiliza a sua função pensando somente em beneficiar a  si mesmo, esta pessoa não é digna de trabalho, está pessoa macula a imagem do trabalho e fere aqueles atuam com zelo e dedicação no exercício de sua função.

Pensar em si próprio não é somente executar sua função pensando em receber benefícios; mas também aquele que não estando dentro do seu horário de trabalho não realiza uma tarefa, simplesmente pelo fato, de que seu horário já decorreu. Este também não dignifica o trabalho.

O sentido de amor ao que faz, deve perpassar as paredes dos escritórios ou o horário de trabalho, este, é um mister, um oficio, uma crença de que o desenvolvimento social depende de todos nós.
Pensem nisso.
Feliz dia do trabalhador.
Escrito por Manoel Arnóbio
Direitos Reservados.


Nenhum comentário:

Postar um comentário