“O poder só é efetivado enquanto a palavra e o ato não se divorciam, quando as palavras não são vazias e os atos não são brutais, quando as palavras não são empregadas para velar intenções, mas para revelar realidades, e os atos não são usados para violar e destruir, mas para criar relações e novas realidades.” (ARENDT, Hannah Condição Humana, 2007, p. 212)

TJPB divulga lista dos feriados nacionais e pontos facultativos para 2018


Durante esse período, o Poder Judiciário estadual funcionará em regime de Plantão
O presidente do Tribunal de Justiça da Paraíba, desembargador Joás de Brito Pereira Filho, assinou o Ato nº 03/2018, que traz a lista dos feriados nacionais e pontos facultativos no Poder Judiciário estadual. O presidente considerou que a divulgação antecipada desses feriados beneficiará os jurisdicionados e os advogados, que poderão se programar. O expediente foi publicado no Diário da Justiça eletrônico (DJe) desta quinta-feira (18).

A relação de feriados declarados por leis dos municípios sedes de comarcas, considerados feriados forenses, por força no artigo 282 da Lei de Organização e Divisão Judiciárias do Estado (Loje), foi disponibilizada na edição do dia 08 de janeiro de 2018 do DJe. O Ato foi assinado pelo diretor especial do TJPB, Márcio Roberto Soares Ferreira Júnior, conforme o disposto no artigo 12, incisos de I a VIII, da Estrutura Organizacional Administrativa do Tribunal de Justiça (Lei 9.316/2010).
Acesse a lista de feriados nacionais e estaduias que o Poder Judiciário irá cumprir:
https://app.tjpb.jus.br/dje/rest/ultimosdiarios/diario/18_01_2018.pdf
Acesse os feriados forenses:
https://app.tjpb.jus.br/dje/rest/ultimosdiarios/diario/08_01_2018.pdf
Por Ewerton Correia (estagiário)
http://www.tjpb.jus.br/tjpb-divulga-lista-dos-feriados-nacionais-e-pontos-facultativos-para-2018/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dano moral indireto: quem pode pedir reparação por morte ou por ofensa a um ente querido?

Jurisprudência molda os limites para concessão do sursis processual

Ministro Barroso nega ação sobre regulamentação do artigo 142 da Constituição