“O poder só é efetivado enquanto a palavra e o ato não se divorciam, quando as palavras não são vazias e os atos não são brutais, quando as palavras não são empregadas para velar intenções, mas para revelar realidades, e os atos não são usados para violar e destruir, mas para criar relações e novas realidades.” (ARENDT, Hannah Condição Humana, 2007, p. 212)

quarta-feira, 11 de julho de 2018

QUESTÃO DE CLASSE - Ajufe não defenderá Rogério Favreto, alvo de investigação no CNJ



Nenhum comentário:

Postar um comentário